Dispositivos móveis estão mudando totalmente as estratégias de marketing digital

Share:
mobile

Descubra a relevância desta tecnologia para o Google e o quanto isso pode afetar o seu negócio!

O uso do celular e outros dispositivos móveis já ultrapassou o convencional computador – de acordo com o Google, no ano de 2015 as buscas feitas no site da empresa através desses aparelhos superou o desktop. Pensando nessa tendência o mais importante buscador da atualidade promoveu o “Mobile Day” em junho do ano passado. O evento contou com a exibição de um documentário reproduzido em diversas salas de cinema espalhadas pelas principais cidades do Brasil. Elaborado especialmente para profissionais de marketing e comunicação, a proposta do material foi disseminar informação, apontar novos rumos e dividir ideias a respeito desta plataforma.  Se esse gigante da tecnologia está voltando totalmente sua atenção para essa linha, é porque os números apontam uma revolução tecnológica sem precedentes.

Celular, pra que te quero?

Você se lembra da última vez que usou um relógio como despertador? E uma simples calculadora convencional? Experimente ficar numa fila de espera sem um celular para distraí-lo. Este gadget se tornou um utilitário indispensável nas tarefas do dia-a-dia.

O uso de celulares para acessar a internet fez com que muitos usuários já não recorram tanto ao computador pessoal na hora de realizar buscas. Essa mudança de comportamento explica-se inicialmente pela praticidade e privacidade oferecidos pelo uso de um dispositivo particular. Porém o fator determinante para isso foi o incrível crescimento do número de telefones móveis, sendo que só no Brasil, dos 306 milhões de dispositivos conectados à internet, cerca de 154 milhões são smartphones de acordo com o relatório anual sobre tecnologias divulgado em 2015 pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Somado a expansão das redes móveis no país, o novo cenário consiste em pessoas conectadas por mais tempo, acessando sites em qualquer lugar, e mais expostas a propagandas e ofertas online. Tudo isso representa uma grande oportunidade para aqueles que se adaptarem e aproveitarem o momento mobile.

Ranqueamento do Google

Para o Google essa tendência sinaliza que, se mais pessoas estão utilizando celulares, os sites precisam ser de fácil navegação, rápidos e adaptáveis, independente da variação do tamanho de tela. Afinal, do que adianta entrar no site e abandoná-lo logo em seguida por não conseguir uma navegação satisfatória?

Atento a essas questões, a empresa tem trabalhado para determinar melhor o fator de posicionamento em suas páginas a partir de pontos importantes como:

  • O chamado site responsivo é aquele que se adapta para exibição em smartphones sem distorcer ou interferir drasticamente na sua visualização;
  • Velocidade é fundamental para navegação via celular, um site pesado representa maior tempo de carregamento e maior consumo de dados;
  • Experiência do usuário – muitos complementos utilizados em sites podem não funcionar nos smartphones. É preciso que as páginas sejam compatíveis e eficientes, direcionando o usuário durante a navegação sem maiores transtornos.

O Google publicou um conteúdo especial no seu site voltado para desenvolvedores apontando diretrizes básicas para a elaboração de um bom site para plataformas móveis.

Porque apostar no mobile?

A influência dessa plataforma sobre os negócios é evidente. O Alibaba, mundialmente conhecido portal chinês de comercio eletrônico, conseguiu aumentar seu faturamento em cerca de 32% no último chegando a incrível marca de US$ 3,5 bilhões no terceiro trimestre, tudo graças ao aumento de vendas mobile.

Na contramão do comércio tradicional, as vendas online cresceram no último ano, mostrando que o e-commerce é muito mais interessante para as empresas e consumidores. Ligando os pontos é possível prever que quanto mais adaptável um site estiver para os smartphones, mais chances de lucrar ele terá.

Porém essa necessidade de adaptação não se restringe apenas a grandes portais ou lojas virtuais. Conquistar clientes, leitores ou simplesmente seguidores depende cada vez mais do engajamento do público com a marca. Com o uso dessa tecnologia ficou muito mais fácil buscar informações antes mesmo de conhecer um lugar, experimentar um produto, ou validar a veracidade de uma informação. Se por um lado o público tornou-se mais exigente, por outro tornou-se mais participativo e disposto a recomendar um produto ou compartilhar uma ideia.

As novas estratégias

Essa revolução leva a um novo paradigma: se estamos utilizando mais smartphones e outros dispositivos móveis para navegar, por que não mudar a estratégia? Não seria a hora de inverter o processo padrão de desenvolver sites para desktop e adaptá-los para mobile? Se a plataforma mobile tornou-se a principal, ela deve ser a base das novas estratégias de marketing digital!

Existem ainda recursos dessa tecnologia que estão caindo no gosto das pessoas: serviços de localização, compartilhamento entre dispositivos, maior facilidade de interação com a marca. Esses pontos são as principais diretrizes dos profissionais de marketing digital para alinhar estratégias que permitam o aproveitamento total das vantagens fornecidas pelos smartphones e outros gadgets.

Aplicativo ou site mobile?

A respostas para a dúvida mais comum nos projetos mobile depende de alguns pontos básicos que ajudarão a definir qual a melhor estratégia:

  • Aceitação do público: como um aplicativo facilitaria a vida das pessoas que acessam o site, e o quanto elas estariam dispostas a instalar o aplicativo em seus aparelhos;
  • Custo: diferente de um site, o app é um sistema que deve ser instalado no dispositivo, logo seu desenvolvimento é mais trabalhoso e requer profissionais específicos, aumentando o custo projeto;
  • Recursos: os serviços oferecidos pelo site podem determinar qual meio é mais interessante. Se é divulgação de conteúdo por exemplo, talvez um site mobile seja suficiente. Já uma loja virtual ou serviços que precisam da localização do usuário, por exemplo, podem se beneficiar dos mecanismos oferecidos pelos app.

Esses são apenas alguns pontos podem traçar uma diretriz, é importante ressalvar que diversos outros fatores que podem influenciar nessa decisão. Em alguns casos pode até ser ambas tecnologias conjunto (site e app) sejam interessantes, tudo depende dos objetivo do projeto.

Quer saber se o seu site já está pronto para o mobile? O Google também disponibiliza um endereço para teste e indica o que deve ser melhorado. É preciso adequar-se a essa nova realidade, a tendência é que esses fatores sejam cada vez mais relevantes para o Google quanto o posicionamento nas buscas, logo quem se atualizar só tem a ganhar! Não perca tempo!

As opiniões e informação contidas neste post não necessariamente refletem a opinião do Search News Brasil, mas sim do autor convidado citado abaixo.

Eduardo Gasparetto

Eduardo Gasparetto

É especialista em SEO e fundador da Agência Carti e do canal Mastermind no youtube onde publica vídeos de empreendedorismo, estratégias de marketing seo e muito mais.

Mais artigos - Website

Share:

Leave a reply

Não vá embora sem curtir nossa fanpage!

Receba as notícias mais quentes do mercado de Search Marketing e Facebook Ads.